terça-feira, 29 de março de 2011

OS 7 NÍVEIS DE CONSCIÊNCIA NO SUFISMO



" Nossos quatro caminhos Sufis são: Conhecimento de algo, Visão de algo, Estar em algo, Tornar-se algo."


O Sheikh Mohammad Ragip é representante da Ordem Sufi Halveti Al-Jerrahi, com sede na Turquia, e é uma pessoa especialíssima. Serena e segura de si, como uma águia. Altivo, sem ser arrogante. Ele desarma qualquer pessoa que tenha preconceitos com o Islamismo, pois emana muita paz e autoridade. Ele é praticamente a cara e o jeito do Saladino (como retratado no filme Cruzada), interpretado por Ghassan Massoud. Ragip é brasileiro, não tem origem árabe, mas se converteu ao islamismo há 10 anos. Atualmente é responsável por uma Tekkia, local onde os Dervixes (os praticantes do sufismo) se reúnem para rezar e praticar seus rituais.

O que me deixou triste após a palestra foi perceber que uma doutrina tão delicada, tão ponderada, fique isolada em "ilhas de saber" por falta de divulgação (ou de interesse dos ocidentais pelo islamismo). O sufismo deveria ser o cartão de entrada do islamismo pro resto do mundo, pois é impossível não amolecer o coração diante da Verdade que irradia da doutrina. Vejamos:

O coração, no Sufismo, é o centro do ser espiritual, e não um aspecto emocional (como no ocidente). É equivalente a um espaço no corpo, onde a alma (espírito) disputa esse espaço com o ego (nafs, que em árabe significa alma animal). Este ego é uma parte material da sua existência, e não a consciência em si.

Existem 7 níveis de consciência dentro da doutrina Sufi. Entretanto, esta divisão está mais para um imenso degradê, existindo assim diversos subníveis. O menos evoluído dos níveis é o que veremos primeiramente:

2 - Nafs lawwama (O Eu acusador)A consciência interior do certo e do errado. A pessoa nesse nível assume como verdade interior o que aprendeu - seja através de tradições (familiares, ou de um grupo) ou religiões. O problema aqui é esse "censor" interno ser tão rigoroso que possa levar a pessoa à depressão, ou a julgamentos muito rigorosos consigo mesmo. O que normalmente surge desse encontro consigo mesmo é o remorso, e é preciso ter muito cuidado pra não desmoronar de vez ao ver-se como realmente é. Outros, pra poder se "sustentar", preferem voltar o "Eu acusador" para os outros, e não pra ele mesmo. Então essa pessoa passa a ser uma perseguidora, uma inquisidora, se achando uma defensora do "certo", da Verdade. É uma fachada (a tal sombra de Jung) pra um problema que está dentro dela mesma. Se ela não se perdoar primeiro, se não compatibilizar o pensamento de outrora com o de hoje, não perdoará aos outros.


3 - Nafs mulhima (O Eu inspirado)O conjunto ética/ação é o que caracteriza a pessoa nesse nível. O indivíduo passa a ter mais sonhos e visões, e a achar que coisas que não são válidas para os outros podem ser válidas pra ele. O risco nesse nível é a pessoa confundir paixão com inspiração, porque o coração ainda está dominado pelo ego. Pessoas em Nafs mulhima podem tornar-se líderes religiosos e, mesmo com a melhor das intenções, podem achar que "inventaram" ou descobriram um novo caminho pra Deus, que são enviados do Alto para a humanidade, e podem assim acabar inflando ainda mais o próprio ego, por se acharem os donos da verdade.
Do terceiro nível para cima é recomendável o acompanhamento por uma escola mística, um grupo, um apoio espiritual de quem já tenha trilhado esse caminho. Isso porque há sempre o risco do ego assumir um comando ainda maior do coração. O Mestre é um guia, que nos mostra os passos para que seja possível obter as experiência necessárias para o caminho sem tropeços. Mas é preciso que os passos sejam válidos para todos, éticos, públicos e transparentes.

4 - Nafs mutmaina (O Eu tranqüilo)Neste nível a pessoa já aquietou o ego, e possui um bem-estar interior mais constante. Já começa a vislumbrar um efeito de integração entre todas as coisas.



5 - Nafs radiya (O Eu que está satisfeito com Allah)Neste nível a pessoa está liberta da inflência do ego no coração. A partir daí não há possibilidade de regressão. Ele olha o mundo e consegue compreendê-lo como um sistema perfeito, sem falhas. Mas isso não significa que essa pessoa não tenha falhas, que não fique triste nem condoída com o problema dos outros. Nao há arrogância.
Se tal pessoa não morrer neste nível de consciência, fatalmente atingirá o próximo.


6 - Rafs mardiya (Aquele com quem Allah está satisfeito)São os considerados "amigos de Allah". Jesus, além de ser considerado (pelos muçulmanos) um profeta para o povo hebreu, é também um "amigo de Allah". Bonito, não?

7 - Nafs saffiya (O Eu perfeito)O momento em que o ego se dissolve na consciência divina, no qual, simbolicamente, amado e amante se confundem.

Por G.A.

sexta-feira, 25 de março de 2011

Rosacrucianismo e Mestre Jesus, o Cristo


"EX DEO NACIMUR , IN JESU MORIMUR , PER SPIRITUM SANCTUM REVIVISCIMUS."

"Que símbolo fecundo vem na aurora ansiosa?
Na Cruz morta do Mundo a Vida, que é a Rosa....
Que símbolo divino traz o dia já visto?
Na cruz, que é o destino, a rosa que é o Cristo....
Que símbolo final mostra o sol já desperto?
Na Cruz morta e fatal a Rosa do Encoberto.
Fernando Pessoa
Irmão C.R+C

"Há quatro espécies de homens:
O que não sabe e não sabe que não sabe: é tolo - evita-o;
O que não sabe e sabe que não sabe: é simples - ensina-o;
O que sabe e não sabe que sabe: ele dorme - acorda-o;
O que sabe e sabe que sabe: é sábio - segue-o."

Não faço, creio, ofensa em supor que, como a maioria dos anti-rosacruzes, muitas pessoas são totalmente desconhecedoras do assunto Rosacrucianismo. O que sabe dele é até, porventura, pior que nada, pois, naturalmente, terá nutrido o seu anti-rosacrucianismo da leitura da imprensa chamada católica, ou pior, da neo-pentecostal, onde, até nas coisas mais elementares da matéria, erros se acumulam sobre erros, e aos erros se junta, com a má vontade, a mentira e a calúnia, senhoras suas filhas...Não creio, que os detratores(as) convivam habitualmente com os livros de Jacob Boehme, Jan Amos Comenius, Johann Valentinus Andreae, Frances Yates, Paracelso, Michael Meier, Robert Fludd, Spinoza.....Ora se nossos detratores(as) estão nesse estado de trevas com respeito à natureza, fins e organização do Rosacrucianismo, suponho que em igual condição estejam muitos outros(as), com a diferença de que se não propuseram a falar sobre matéria que ignoram...

Saibam perfeitamente quem lhes está falando, e o que vão ler, se quiserem, é escrito por quem sabe o que está escrevendo. Não que o que vou dizer exija profundos conhecimentos Rosacruzes: é matéria puramente de superfície, da vida externa da Ordem. Exije, porém, conhecimentos, e não ignorâncias, fantasias ou mentiras.Quem nos detratou não sabe o que é Rosacrucianismo, provavelmente, pois o mal é esse, não sabe. Nesse ponto, se não sabe, terá de continuar a não saber. De mim, pelo menos, não receberá a luz. Forneço-lhe, em todo o caso, uma espécie de meia-luz, qualquer coisa como a "treva visível"..........Creio não errar ao presumir que nossos detratores(as) supõem que a Rosacruz é uma associação secreta. A Rosacruz é uma Ordem secreta, ou, com plena propriedade, uma Ordem iniciática, não sabem, provavelmente, em que consiste a diferença. Pois o mal é esse, não sabem.

A Ordem Rosacruz é secreta por uma razão direta e derivada, a mesma razão por que eram secretos os Mistérios antigos, incluindo os dos primitivos cristãos, que se reuniam em segredo, para louvar a Deus, em o que hoje se chamariam Lojas ou Capítulos, e que, para se distinguir dos profanos, tinham fórmulas de reconhecimento, toques, ou palavras de passe, ou o que quer que fosse.Por esse motivo os romanos lhes chamavam ateus, inimigos da sociedade e inimigos do Império, precisamente os mesmos termos com que hoje os Rosacruzes são brindados pelos sequazes da Igreja Romana e seus satélites pentecostais, filhas, talvez ilegítimas, daquele Rosacrucianismo remoto

Resulta desta comunidade de espírito profundo, deste íntimo e secreto laço fraternal, que ninguém quebrou nem pode quebrar, que uma Ordem R+C, ainda que tenha poucas ou nenhumas relações com outra, não vê todavia com indiferença o ser esta atacada por profanos.

Acabei. Convém, porém, não acabar ainda. Provei neste tópico que os ataques de nossos detratores (as), além do produto da mais completa ignorância do assunto, injusto e cruel. Não considerei, porque não tinha que considerar, se o Rosacrucianismo merece o mau conceito em que evidentemente a tem nossa detratora e outros que nada sabem da matéria. Esse ponto estava fora da linha do meu argumento. Como, porém, muita gente não sabe raciocinar, pode alguém supor que me esquivei a esse ponto. Vou por isso tratar dele embora protestando contra mim mesmo. Quem sofre com isso é o leitor....

O Rosacrucianismo compõe-se de três elementos: o elemento iniciático, pelo qual é secreta; o elemento fraternal; e o elemento a que chamarei humano, isto é, o que resulta de ela ser composta por diversas espécies de pessoas, de diferentes graus de inteligência e cultura, e o que resulta de ela existir em muitos países, sujeita portanto a diversas circunstâncias de meio e de momento histórico, perante as quais, de país para país e de época para época, reage, quanto à atitude social, diferentemente.Nos primeiros dois elementos, onde reside essencialmente o espírito Rosacruz, a Ordem é a mesma sempre e em todo o mundo. No terceiro, o Rosacrucianismo como aliás qualquer instituição humana, secreta ou não, apresenta diferentes aspectos, conforme a mentalidade de Rosacruzes individuais, e conforme circunstâncias de meio e momento histórico, de que ela não tem culpa.Neste terceiro ponto de vista, todo o Rosacrucianismo gira, porém, em torno de uma só idéia, a tolerância; isto é, o não impor a alguém dogma nenhum!!!!!!!!

Surgimento dos Manifestos R+C – 1614

A Ordem que foi pela primeira vez publicamente conhecida no século XVII através de três manifestos e insere-se na tradição esotérica ocidental, corrente de pensamento hermético-cristã.Alguns historiadores sugerem a sua origem num grupo de protestantes alemães, entre 1607 ou 1616, quando três textos anônimos foram elaborados e lançados na Europa: Fama Fraternitatis R.C., Confessio Fraternitatis Rosae Crucis e Núpcias Alquímicas de Christian Rozenkreuz Ano 1459. A influência desses textos foi tão grande que a historiadora Frances Yates denominou este período do século XVII como o período do Iluminismo Rosacruz.O Sermão da Montanha que contém os fundamentos do discipulado Cristão, também realçados no manifesto Rosacruz Confessio Fraternitatis: "... nós nos reconhecemos como professando verdadeira e sinceramente Cristo (...) viciamo-nos na verdadeira Filosofia, levamos uma vida Cristã"."Que pensam vocês, queridas pessoas, e como parecem afetados, vendo que agora compreendem e sabem, que nós nos reconhecemos como professando verdadeira e sinceramente Cristo", não de um modo exotérico, "condenamos o Papa", e sim no verdadeiro sentido esotérico do Cristianismo".
LUTERO
A grande maioria dos personagens relacionados com o lançamento dos "Manifestos Rosacruzes" se originaram do meio luterano alemão. É de se notar que o próprio Lutero foi um dos primeiros a utilizar uma "rosa-cruz" (o "selo de Lutero", ou "rosa de Lutero") como símbolo de sua teologia. Abaixo de muitas rosas de Lutero está a frase: “O coração do cristão permanece em rosas, quando ele permanece sob a cruz.”


Extratos do Manifesto R+C Fama Fraternitatis -1614

EX DEO NACIMUR , IN JESU MORIMUR , PER SPIRITUM SANCTUM REVIVISCIMUS (De Deus nascemos , em Jesus morremos, pelo Espírito Santo revivemos) "O único sábio e misericordioso Deus nestes últimos dias derramou abundantemente a Sua graça e clemência sobre a Humanidade, conduzindo-nos cada vez mais ao conhecimento perfeito de Seu Filho, Jesus Cristo, e da natureza, para que possamos justificadamente bendizer o tempo venturoso em que vivemos. Não só nos revelou a metade até então desconhecida e oculta do mundo , mas também muitas obras e criaturas da natureza, jamais vislumbradas anteriormente. Além disto favoreceu a emergência de homens de grande sabedoria para renovar , transformar e aperfeiçoar todas as artes (tão maculadas e imperfeitas de nossa época ), para que o homem possa finalmente compreender sua própria nobreza e dignidade , e por que é chamado de Macrocosmos, e até onde se estende seu conhecimento da natureza."

Acabei de vez. Deixe o Rosacrucianismo aos Rosacruzes e aos que, embora não sejam, viram, ainda que noutro Templo, a mesma Luz. Lembre-se, Julgamento, acusação, discriminação, condenação, mentiras, são atributos do deus deste mundo, totalmente incompatível com a vida e a lição do Mestre Jesus, O Cristo.
"JESUS MIHU OMNIA" – Divisa dos Cavaleiros Rosacruzes

Por G.A

quinta-feira, 24 de março de 2011

O Retorno ao Aéon Eterno.



"Nós viemos de cima deles todos, dos alienígenas e deuses, dos anjos da pobreza e os monstros deles. Muitas pessoas aqui são imortais, mas eles não sabem disso, então eles vivem como se fossem escravos. Eles acreditam que eles são parte do mundo, não sabem que o mundo é curral deles, e seus corpos suas prisões, porque eles estão iludidos. Eles não confiam em sua natureza espiritual, eles confiam na carne que irá perecer, então colocam suas esperanças nesta vida, e não encontram nenhuma verdade.
Mesmo aqueles que possuem certa percepção espiritual não percebem que precisam encontrar a verdade enquanto estão vivos, de outro modo, quando o corpo morre e eles estão nas mãos das autoridades, terão que passar por uma revisão, em seguida um julgamento, e serão jogados em outra carne para servidão.
Há sempre muita dor quando eles descobrem que desperdiçaram suas vidas. Mas cada vida nova é uma chance nova. Quando eles alcançam a palavra doadora-de-vida, eles permanecem com ela até a hora chegar. E fazendo isso, eles passarão pelos portões de todas as autoridades sem medo. E eles se despirão do fardo da escuridão, que é o corpo, e serão batizados três vezes. Eles serão recebidos por aqueles que entregam as vestimentas eternas, a luz perfeita do espírito, porque eles não são estranhos a eles. E eles se dirigirão para o lugar mais alto, já que se tornaram dignos das glórias indescritíveis, pois eles rejeitaram o mundo e os poderes para serem livres da escravidão do esquecimento.
Eles habitarão lá para sempre, com os Grandiosos, os Imortais, na Luz do Pai Eterno. E eles aprenderão da sabedoria imperecível perfeita, e eles viverão e nunca mais morrerão.
Quem tiver ouvidos para ouvir que ouça! "

quarta-feira, 23 de março de 2011

Deus! Deus! Deus!





Deus! Deus! Deus!
Das profundezas do sono,
Ao subir a escada em espiral do despertar,
Murmuro:
Deus! Deus! Deus!
És o alimento, e ao romper o jejum
da separação noturna entre nós,
Sinto o teu sabor e digo mentalmente:
Deus! Deus! Deus!
Não importa onde eu vá, o farol de minha mente
Sempre se volta sobre Ti,
E no fragor da batalha da atividade
meu silencioso grito de guerra é sempre:
Deus! Deus! Deus!
Se ruidosas tornentas de provas gritam
E a inquietação uiva junto a mim,
Abafo seus ruídos cantando em voz alta:
Deus! Deus! Deus!
Quando a mente tece sonhos
Com os fios da memória,
Nesse tecido mágico faço estampar:
Deus! Deus! Deus!
Todas as noites, quando o sono é mais profundo,
Minha paz em sonhos chama: Alegria! Alegria! Alegria!
E a alegria vem cantando sempre:
Deus! Deus! Deus!
Despertando, comendo, trabalhando, sonhando, dormindo,
Servindo, meditando, cantando, amando divinamente,
Minha alma sussurra o tempo todo, sem que ninguém ouça:
Deus! Deus! Deus!

Paramahansa Yogananda

segunda-feira, 21 de março de 2011

Gnosticismo no filme Matrix

Acorde Neo

No começo do filme MATRIX, um “hacker” de computador, todo vestido de negro, conhecido como NEO, está caído adormecido em frente de seu computador. Uma mensagem misteriosa aparece na tela: "Acorde, Neo!"Neo lida com o problema de estar aprisionado num mundo "material", que é uma simulação de programa de computador, criada num futuro distante por uma Inteligência Artificial (IA), como símbolo da escravidão da humanidade pela perpetuação da ignorância em forma de uma percepção ilusória, chamada MATRIX. Em parte, o filme mostra sua última visão da realidade, fazendo alusões à inúmeras tradições religiosas que antecipam a idéia que o problema fundamental da humanidade é a ignorância, e a solução, é o conhecimento [gnose] ou o "despertar".O CRISTIANISMO GNÓSTICO é como um guia que ajuda aqueles aprisionados no limitado mundo da ilusão. A figura do Redentor Gnóstico, que de boa vontade desce ao mundo com a missão de compartilhar o conhecimento liberador [gnose], facilita a fuga para todos aqueles capazes de compreender. No filme, essa figura é NEO, cujo nome é um anagrama:

Neo = Eon = One
Novo - Vida-Eternidade - Primeiro

ELEMENTOS CRISTÃOS EM MATRIX

A maioria dos assistentes deste filme provavelmente reconhece facilmente a presença de alguns elementos cristãos, como o nome TRINITY ou a morte de NEO e sua ressurreição e ascensão quase no final do filme. De fato, abundam alusões cristãs e bíblicas, particularmente no que se referem aos nomes: APOC (Apocalipse); o nome de NEO como Mr. ANDER+SON (do grego ANDRAS = HOMEM + SON = FILHO, em inglês, que resultam em FILHO DO HOMEM); a nave chamada NABUCODONOSOR (o rei da Babilônia que no Livro de Daniel teve um enigmático sonho que precisa ser interpretado); e a última cidade humana remanescente, ZION (SIÃO), sinônimo, no judaísmo e no cristianismo, da Jerusalém Celestial.

Embora a presença de elementos individuais cristãos no filme seja clara, todo o sistema cristão apresentado no filme não é o tradicional, mas o ortodoxo. Mais ainda, os elementos cristãos do filme fazem maior sentido quando vistos dentro do contexto GNÓSTICO-CRISTÃO.O GNOSTICISMO foi e é um sistema religioso que floresceu por séculos no começo da Era Cristã e em muitas regiões do antigo mundo mediterrâneo, onde competiu fortemente com o cristianismo ortodoxo enquanto, em outras áreas, representava a única interpretação do cristianismo, como é sabido.Os GNÓSTICOS tiveram suas próprias escrituras, acessíveis a nós na forma dos Evangelhos de Nag Hammadi, a partir dos quais se pode ter uma idéia geral das crenças gnósticas.

Uma pequena citação desse Mito esclarece vários aspectos dentro de MATRIX.

No Mito Gnóstico, o Deus Supremo é totalmente perfeito, e, por isso, estranho e misterioso, "inefável", "inalcançável", "imensurável luz, pura, santa e imaculada"(Apócrifo de João).

Mais ainda: Para este Deus existem outros seres menos divinos no Pleroma (similar ao Paraíso, uma divisão desse universo que não é a Terra), que é dotado de um sexo metafórico masculino ou feminino.Pares desses seres são capazes de produzir descendência, que são, eles mesmos, emanações divinas perfeitas em si mesmas.(17)

O problema surge quando um EON ou Ser chamado SOPHIA (Sabedoria em grego), uma mulher, decide "levar adiante sua semelhança sem o consentimento do Espírito" - que gera uma descendência sem sua consorte (Apócrifo de João). A visão é a de que as mulheres oferecem a matéria na reprodução, e os homens, a forma. Por isso, o ato de Sophia produz uma descendência que é imperfeita ou até mesmo mal formada, e ela a afasta dos outros seres divinos do Pleroma, levando-a para outra região isolada do cosmos. Essas deformadas e ignorantes deidades, as vezes denominadas YALDABAOTH, equivocadamente acreditam ser o único Deus.


Yaldabaoth/Demiurgo = Arquiteto
Os gnósticos identificam Yaldabaoth/Demiurgo como o Deus Creador do Antigo Testamento, o qual decide crear os Arcontes (Anjos), o mundo material (Terra) e os seres humanos. Nas mentiras, o dilema humano. Somos pérolas no lodo, espíritos divinos aprisionados num corpo material e num mundo material . O Paraíso é nosso verdadeiro lar, mas estamos exilados do Pleroma.Felizmente, para o Gnóstico a salvação está disponível na forma de Gnose ou Conhecimento, dado pelo Redentor Gnóstico, que é o Cristo, a figura enviado pelo Altíssimo para libertar a espécie humana de Yaldabaoth. A Gnose envolve uma compreensão de nossa verdadeira origem e natureza, a metafísica realidade ainda desconhecida para nós, resultando na fuga gnóstica (da morte) da escravizante prisão material do mundo e do corpo para as regiões superiores do espírito. Contudo, para fazer esse ascenso, o Gnóstico precisa passar pelos Arcontes, que são ciumentos de sua luminosidade, espírito ou inteligência e que por isso tratam de dificultar sua jornada ascendente.

G.A

Orígenes " De Principiis"

 
 
"As Escrituras Sagradas têm um sentido que é aparente à primeira vista, e um outro que a maioria dos homens não percebe.Porque são escritas em forma de certos Mistérios, e à imagem de coisas divinas. A respeito do que há uma opinião em toda a Igreja, que toda a Lei em verdade é espiritual, porém que o sentido espiritual da Lei não é conhecido a todos, mas apenas aqueles que receberam a graça do Espírito Santo na palavra de sabedoria e conhecimento". Assim, os primeiros cristãos sabiam que dois tipos de pessoas se achegariam ao cristianismo, um tipo sem o toque pneumático, e, portanto, incapaz de aproximar-se da salvação pelo conhecimento e pela sabedoria dos Mistérios, mas possuindo apenas capacidade de assimilar pela fé o lado superficial da Lei; o outro tipo, tocado pelo dom pneumático, pela centelha-espírito, que possuiria plena capacidade de assimilar os conhecimentos e a sabedoria dos Mistérios divinos e descer ao nível profundo e espiritual da Lei, podendo gozar de completa iluminação e redenção."
Orígenes " De Principiis"

....





"Dai, e vos será dado: boa medida,
recalcada, sacudida, transbordante,
será derramada em vosso regaço;
pois com a medida com que medirdes também sereis medidos".
(Lucas 6:38)

O aluno deve começar dando, e não pedindo.
Somente então o segredo da medida
transbordante lhe será revelado.
--------------------------------
Que tem ele para dar?

1º Seu coração,
2º sua alma,
3º seu devotamento,
4º sua fé absoluta,
5º sua inteligência,
6º suas faculdades,
7º seu eu.

-----------------------------
Seu coração, para que
o botão-de-rosa possa desabrochar

Sua alma, a fim de que a janela da alma
se abra para a prodigiosa flor,
Seu desenvolvimento, para que todos os processos de renovação necessários
possam desenvolver-se sem impedimentos.
Sua fé, para estabelecer a ligação
com os mistérios gnósticos
e sustentar essa ligação.
Sua inteligência, para que saiba
o que se está realizando nele
e o que deve efetuar-se.
As faculdades de sua personalidade,
para que não surjam dificuldades.
Seu eu para que vença na alma
e através da alma.
_________________________

O aluno deve celebrar esse sacrifício sétuplo
nos altares do mistério gnóstico tríplice
com alegria, gratidão e amor.

Quem realiza esse sacrifício
é iniciado nos segredos da Gnosis
e recebe toda a salvação,
todos os alimentos santos,
tudo o que a Gnosis tem para dar.

Dai, e vos será dado!

Oração da Serenidade



Oração da Serenidade

Deus, conceda-me serenidade para aceitar as coisas que não posso modificar,
coragem para modificar aquelas que posso,
e sabedoria para reconhecer a diferença entre uma e outra.

Serenity Prayer
God, grant me the serenity to accept the things I cannot change
courage to change the things I can and
the wisdom to know the difference.

Prier D' la Sérénité
Mon Dieu, donnez moi la sérénité d'accepter les choses que je ne puis changer,
le courage dechanger les choses que je peux
et la sagesse dén connaitre la difference.

Oración de La Serenidad
Dios, concédeme la serenidad para aceptar las cosas que no puedo cambiar,
valor para cambiar aquellas que puedo
y sabiduría para reconocer la diferencia

Pai Nosso



Ó Luz Primordial
que irradias da Vida Divina!
Que possamos ser santificados por Ti.
Venha a nós o Teu Reino.
Seja feita a Tua vontade,
em todo o nosso ser,
segundo a Tua Natureza Divina.
Dá-nos, para isso, cada dia o Teu Santo Pão.

Na Força do Teu Toque,
rompemos todas as ligações
que se opõem ao Teu Plano;
perdoamos e esquecemos tudo
o que o mundo e a humanidade nos inflingiram,
devido ao seu estado de natureza.

Com base nesta nova atitude de vida,
faze extinguir todo o nosso karma,
com a Tua Misericordiosa Luz.

Ó Luz, guarda-nos na tentação,
e liberta-nos do maligno,
quando ele nos ataca!

Em Ti está a Nova Vida,
e a Força,
e a Magnificência,
para a Tua Eternidade.

domingo, 20 de março de 2011





"Cada noite e cada manhã
Alguns nascem para a miséria.
Cada manhã e cada noite
Alguns nascem para o doce deleite...

E alguns nascem para uma noite sem fim.

Somos levados a acreditar numa mentira

Quando não vemos através do olho
que nasceu na noite, para nela perecer

Quando a alma dormiu em colunas de luz.

Deus aparece e Deus é luz

Para estas pobres almas que habitam a noite,

Mas se faz em aparência humana

Para aqueles que habitam o reino do dia." 


(William Blake)




"Que temos de comum com o botão de rosa que verga sob o peso de uma gota de orvalho?

É verdade que se amamos a vida, é por estarmos mais habituados a amar do que a viver.

Há sempre o seu quê de loucura no amor. Mas há sempre o seu quê de razão na loucura.

E quanto a mim, que gosto da vida, parece-me que aqueles que melhor se entendem com a felicidade, são as borboletas e as bolas de sabão, e tudo o que entre os homens se lhes assemelhe.

Ver revolutear essas alminhas aladas e loucas, graciosas e movediças, é o que arranca a Zaratustra vontade de chorar e de cantar.

Eu só acreditaria num Deus que soubesse dançar.

E quando vi o meu Diabo, achei-o grave, meticuloso, profundo, solene; era o espírito de Gravidade. É ele que faz cair todas as coisas.

Não é a cólera, é o riso que mata. 

Adiante! Matemos o espírito de Gravidade!

Eu aprendi a andar: desde então deixei de esperar que me empurrassem para mudar de sítio.
Vede como me sinto leve; vede, estou a voar; vede, agora vejo-me do alto, como um pássaro; vede, um Deus dança em mim."


(Assim Falou Zaratustra – Friedrich Nietzsche)



"A mente é a assassina do real

Que aquele que busca a verdade mate o assassino

Porque quando para si mesmo a sua própria forma parecer irreal, como o parecem, ao acordar, todas as formas que ele vê em sonhos; 

quando deixar de ouvir os muitos, poderá divisar o Um - o som interior que mata o exterior.

Então, e só então, abandonará ele a região de Asat, o falso, para chegar ao reino de Sat, o verdadeiro.

Antes que a Alma possa ver, deve ser conseguida a harmonia interior, e os olhos da carne tornados cegos a toda a ilusão.

Antes que a Alma possa ouvir, o corpo tem de se tornar surdo aos rugi­dos como aos segredos, aos gritos dos elefantes em fúria como ao sussurro prateado do pirilampo de ouro.

Antes que a Alma possa compreender e recordar, ela deve primeiro unir-se ao "Falador Silencioso", como a forma que é dada ao barro se uniu primeiro ao espírito do escultor.

Porque então a Alma ouvirá e poderá recordar-se.

E então ao ouvido interior falará"


(A Voz do Silêncio)

quinta-feira, 17 de março de 2011

Feliz Ano Novo

 
 
Comemoramos no dia 20 de Março às 11:44, o Sol ingressa em Áries no hemisfério norte, marca o inicio da primavera, e no hemisfério sul o do outono. É uma data em que o Sol, cortando o equador celeste, determina igualdade de duração de tempo para o dia e a noite.
 
Nossos antepassados comemoravam a harmonia com as leis da natureza e do Cosmos, celebravam o equinócio da primavera como data do Ano Novo Solar. Os babilônicos observando as mudanças, já em 2.500 a.C, fixaram o inicio do ano, nesta época.
 
Mesmo o calendário romano, antes da reforma ditada por Júlio César, tinha inicio no mês de março. Este calendário, Juliano (1582) foi revisto e atualizado pelo Gregoriano, que é usado até hoje.
 
Na primavera, o movimento aparente do Sol é indicado como um novo nascimento. A vida se renova na Terra, as plantas, os animais..........
 
O Cristianismo romano ao celebrar a Páscoa dias após o equinócio da primavera, tem por objetivo a identificação do ressurgimento do vigor da natureza com a ressureição do Mestre Jesus, o Cristo, enquanto os judeus, comemora na mesma época a festa da colheita da cevada e a festa da liberdade dos escravos do jugo egípcio. Marca para eles uma nova era de liberdade, com inicio de nova vida.
 
Hoje celebramos como Rosacruzes uma antiga tradição,  cultuamos a morte e a ressureição dos mitos solares e festejamos, solenemente a chegada do equinócio vernal, em data aproximada com a morte do Mestre dos Mestres Jesus, o Cristo.
 
Que o novo Ano ajude vc na trasmutação de idéias velhas em novos, em uma verdadeira metanóia e proveitosos ganhos e conhecimentos sobre o significado de sua vida.
G.A

quarta-feira, 16 de março de 2011

Rumi


O conhecimento de Deus não é obtido pelo intelecto ou pelo conhecimento discursivo, mas unicamente pela iluminação divina. E o órgão essencial que faculta esta acolhida é o coração. Não o órgão de carne e sangue, mas o órgão espiritual e sutil da percepção mística. O coração é o “receptáculo cristalino e proteico capaz de refletir todas as epifanias ou atributos de Deus: a inesgotável, infinita manifestação da Divindade na morada da união.” Na gota de sangue do coração encontra-se o dom de uma jóia que Deus não destinou nem aos mares nem aos céus. O coração é o lugar onde se alçam os raios da lua e a abertura das portas (da Realidade) para o místico. O coração físico, purificado e iluminado pelo amor, deixa de ser um simples órgão de carne e sangue para transformar-se em órgão espiritual que percebe o invisível. Assim como o coração é a luz que confere brilho ao olhar, é a luz de Deus que confere brilho ao coração. A contemplação do mistério de Deus possibilitada pela dinâmica do coração exige, antes, a purificação e dilatação deste órgão. Não há como contemplar a morada do totalmente outro quando o coração está obstruído. Só depois de purificado de toda imperfeição é que este órgão passa a refletir o conteúdo profundo do mistério divino. Trata-se de um processo longo e complexo. Um passo importante para esta purificação é a busca da humildade e do desapego, o constante trabalho de retirada da ferrugem que impede ao coração refletir de forma viva o mistério que nele habita:

“Sabes por que teu espelho não reflete?
Porque a ferrugem não foi retirada de sua face.
Fosse ele purificado de toda ferrugem e mácula,
refletiria o brilho do Sol de Deus.”

HERMETIC PHILOSOPHER


“Assim como na vida há dois lados – o lado pelo qual ella é exterior, luz, vida prática, logar do senso comum, da sciência, da arte, da philosofia, e o lado pelo qual ella é o DESCONHECIDO – assim há duas sciências – a sciência que o senhor conhece, a metaphysica que sabe, e a outra sciência, a que não sabe ostensivamente nunca, a que não se socializa ou torna conhecida, a sciência occulta, a magia, que os senhores não só ignoram, como ignorarão sempre, porque pela natureza das cousas, são condemnados a ignoral-a. Bem sei, bem sei que a curiosidade moderna se vae approximando em alguns pontos da sciência; à medida que Ella se approxima, a outra recua. O milagre isso a que chamam milagre existe, creia-o senhor.

Mas quando se tenta investigal-o desapparece. Parece aí razão vulgar – e esta na natureza útil das cousas que assim seja que é porque o milagre não existe. Não é. É porque elle não é sociável, não é passável para a sciência exterior, que em livros e experiências se estuda e ensina.”

P.A